Após morte de cachorra a golpes de cassetete em Baía da Traição, família pede justiça e multa pode chegar a R$ 10 mil para o suspeito.

0
369

Após o crime que chocou a população de Baía da Traição na última segunda-feira (15) em que um segurança de uma empresa espancou até a morte uma cadelinha com golpes de cassetete, um grupo de advogados entrou no caso que segue sendo investigado na delegacia de Rio Tinto. Conforme um vídeo divulgado pelo coordenador do Núcleo de Justiça Animal da Universidade Federal da Paraíba, Francisco Garcia, nesta quinta-feira (18), a equipe de advogados que defende Mylla, quer que o segurança responda pelo crime e pague a multa que é prevista no Código de Bem-Estar Animal da Paraíba.

“Estamos acompanhando o caso do processo criminal, para depois ingressar com uma ação de indenização de danos morais coletivos e denunciar o caso na Sudema para que o Código de bem-estar animal da Paraíba seja aplicado e o criminoso pague a multa de R$ 10 mil”, explicou.

Ano passado foi sancionada uma lei que aumenta a punição a quem for pego em casos de maus tratos a animais com reclusão de dois a cinco anos, além de multa e a proibição de guarda. A nova legislação abrange animais silvestres, domésticos, nativos ou exóticos, incluindo, cães e gatos, que acabam sendo os animais domésticos mais comuns e as principais vítimas desse tipo de crime. Atualmente, o crime de maus-tratos a animais consta no artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais 9.605/98 e a pena previa de três meses a um ano de reclusão, além de multa.

Segundo informações da família da cachorrinha, o segurança segue sendo procurado pela polícia, mas até o momento não foi encontrado. 

Saiba mais:

Confira no vídeo a seguir o grupo de advogados que acompanham o caso falando sobre o andamento do processo:

Via: ClickPB

DEIXE UMA RESPOSTA

Comenta ai
Seu nome aqui